Quase 100 enfermeiros morreram por Covid-19 em um mês

Quase 100 enfermeiros morreram por Covid-19 em um mês

No Dia Nacional da Enfermagem, vale engrandecer o trabalho dos enfermeiros que em meio à pandemia correm riscos para salvar vidas.

Levantamento do Conselho Federal de Enfermagem (Cofen) revela que, entre 5 de abril e 5 de maio, o número de enfermeiros afastados do trabalho pelo novo coronavírus aumentou 48 vezes, saltando de 230 casos suspeitos e confirmados para 11 mil. O relatório aponta ainda que as mortes triplicaram no período, passando de 30 para 98 óbitos em um mês. Os estados de São Paulo e Rio de Janeiro lideram o ranking.

A categoria somava 12 mil afastamentos até o último domingo, 10 de maio. Mulheres são as mais afetadas: elas totalizam 10 mil afastamentos e respondem por 60 das 98 mortes notificadas.

Os enfermeiros e outros profissionais da saúde nas linhas de frente contra a COVID-19 merecem ser valorizados por seus esforços que salvam vidas e seus sacrifícios pessoais em meio a maiores riscos médicos – e, em alguns lugares, em meio a estigmatização, assédio e ataques.

O Conselho Internacional de Enfermeiros e o Movimento Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho celebram juntos o Dia Internacional da Enfermagem, neste 12 de maio, para homenagear profissionais do mundo todo, em particular aqueles que lidam com uma carga de trabalho sem precedentes para tratar pacientes com COVID-19 e manter outros serviços de saúde essenciais.

Se equipes de saúde já correm riscos ao exercer suas atividades, essa realidade se agrava com a propagação da pandemia.

“A situação no Brasil é crítica. O Observatório da Enfermagem, criado pelo COFEN para monitorar a evolução da pandemia entre profissionais de Enfermagem, já registra mais de 13 mil casos e 100 óbitos associados à COVID-19. A maior parte desses profissionais integrava pelo menos um grupo de risco. É inadmissível que estivessem expostos na linha de frente, contrariando as diretrizes sanitárias indicadas pelo Ministério da Saúde”, afirma o presidente do Cofen, Manoel Neri. “Somos seres humanos, sujeitos aos mesmos fatores de risco de qualquer pessoa, não somos máquinas. A escassez de Equipamentos de Proteção Individuais (EPIs) e o subdimensionamento das equipes também contribuem para o agravamento da pandemia entre profissionais de Enfermagem”, completa.

O acesso a EPIs é fundamental para proteger a saúde das equipes médicas e deve ser priorizado para essas equipes. Além disso, há uma necessidade urgente de assegurar que os EPIs e outros materiais médicos estejam disponíveis e acessíveis por meio de medidas nacionais e de cooperação intergovernamental.

Profissionais de Saúde recebem homenagem em Pouso Alegre

Atualmente, no dia 12 de maio, é lembrado o Dia do Profissional de Saúde.  Antes, nesta mesma data era comemorado o Dia da Enfermagem. Com o avanço do atendimento à saúde foi decidido que na data seria comemorado o Dia do Profissional de Saúde e não só dos enfermeiros.

Por isso, nesta terça-feira, 12 de maio, Direção do Hospital das Clínicas Samuel Libânio (HCSL), coordenadores hospitalares e Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos de Serviços de Saúde de Pouso Alegre (SEESSPA) realizaram uma homenagem aos profissionais de saúde do HCSL.

A iniciativa, que partiu do diretor social e enfermeiro Miguel Simeão Pereira Jr., contou com muita música, faixas comemorativas, soltura de balões e presença da Banda da Polícia Militar.

Veja as fotos!

Redação Conexão Sul de Minas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *